Gamer Lifestyle

O blog do Fabão

  • Translator

    Portuguese flagItalian flagEnglish flagGerman flagFrench flagSpanish flagJapanese flag
  • Sobre o Gamer Lifestyle

    Este é um blog sobre o estilo de vida gamer, o estilo de quem compreende os jogos eletrônicos como forma de arte, cultura, negócio e entretenimento; o estilo de quem joga, mas sobretudo de quem pensa os jogos; o estilo de quem se assume gamer, e vê nisso não um escapismo, mas um complemento a todos os outros aspectos e aspirações de sua existência serenamente revolta. Espere tópicos filosóficos, amenidades, discussões, polêmicas, opinião, tudo isso junto e nada disso também. Enfim, viva o estilo de vida gamer e venha aqui debatê-lo.
  • Assine os feeds

  • Atualizações por e-mail

    Para receber atualizações direto no seu e-mail, clique aqui.
  • Anúncios

  • Novidades Play-Asia em Jogos

  • Novidades Play-Asia em Figures

  • Novidades Play-Asia em Livros

  • Pesquisa de produtos Play-Asia

Archive for the 'EGM Brasil' Category

Íntegras: A nova fase de Hironobu Sakaguchi

Posted by Fabão on 28th junho 2008

No episódio post de ontem, ao listar os gênios da indústria de games, falei muito brevemente porque estava deixando de fora o progenitor da minha amada série, Hironobu Sakaguchi. Aclamado e respeitado na segunda metade dos anos 1980 e durante toda a extensão dos 1990, Sakaguchi tem vivido reviravoltas em sua vida ao longo desta década que nem a transição para o segundo mapa-múndi de Final Fantasy VI se equipara. Ele quase afundou a Square com o fracasso comercial do filme Final Fantasy: The Spirits Within, pulou fora da empresa, fundou seu próprio estúdio Mistwalker e investiu horrores na produtora AQ Interactive. Em 2005, em entrevista para o Pablo Miyazawa na E3 (a qual presenciei do lado de fora da sala, a metros de distância), Sakaguchi chegou a dizer que “Final Fantasy é passado“. Mas, acima de fatos e notícias, Hironobu Sakaguchi foi responsável por novos jogos…

Mas, quão exatamente novos? Eu não diria muito. Desde que oficializou sua saída da Square Enix, Guchi já lançou Blue Dragon, ASH: Archaic Sealed Heat e Lost Odyssey. Ainda vêm por aí Away Away: Shuffle Dungeon, Blue Dragon Plus e o multimilionário Cry On, do qual nada se viu. Dos que já estão no mercado, tive a oportunidade de jogar e analisar dois, e constatar que Sakaguchi está preso ao passado nos lugares errados. Ainda quero muito jogar Lost Odyssey, muito embora tenha a impressão de que ele seja de algum modo arcaico, mas, como disse, já experimentei duas de suas mais recentes criações, e foi com base nisso que disse que ele tem sido “tão arcaico quanto uso de mesóclise”.

Depois do “salto”, as análises que fundamentam minha afirmação sobre o não obstante querido Sakaguchi.

Read the rest of this entry »

Post to Twitter Post to Plurk Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Reddit Post to StumbleUpon

Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
Posted in Análises, Divagações, EGM Brasil, Editora Europa, Futuro Comunicação, Nintendo DS, Xbox 360, Íntegras | 6 Comments »

Novos rumos

Posted by Fabão on 5th setembro 2007

Antes de começar (tarde demais, já comecei), gostaria de agradecer aos cerca de 70 visitantes que insistem em visitar meu blog mesmo com quase meio ano sem atualizações – tudo bem que a maioria deles seja de curiosos que vieram parar aqui buscando por termos como “25 de março + insira-um-termo-aqui” ou “detonado de zelda/final fantasy”. Obrigado, desavisados.

Aos que vêm aqui vez ou outra dentro do contexto, só posso dizer que os últimos meses foram extremamente puxados, e por isso a falta de novos tópicos no Gamer Lifestyle. Quem acompanha a EGM Brasil certamente notou que ela passou por mudanças, na busca eterna pela melhor qualidade possível. Quem participa de discussões pela internet em fóruns e comunidades do orkut pode ou não ter ouvido falar sobre o corte de colaboradores – se não, basta comparar os expedientes de algumas das últimas edições. Mais recentemente, a EGM Brasil passou a ter 132 páginas, e só posso dizer que fazer uma revista desse tamanho com pouquíssimos (mas dedicados e talentosos) freelancers é um desafio tremendo. Por isso, sobrava pouco ou quase nenhum tempo para tarefas secundárias, como atualizar blogs pessoais, por exemplo.

Bom, agora que fiz a devida introdução para explicar a longa ausência nesse espaço virtual, vamos ao assunto que dá o nome a esse tópico. Não de hoje, mudanças vêm acontecendo na Futuro, como acontecem em qualquer outra empresa. E como quaisquer mudanças, nem todas são bem aceitas. Assim, algumas delas vinham gerando insatisfações, formando um clima de mudanças importantes que foi sentido pelos mais atentos. O profeta Pablo Miyazawa assim prenunciou em seu blog no dia 24 de agosto, uma sexta-feira daquelas:

“Eu nem deveria falar sobre isso, mas… as coisas andam um tanto agitadas no sempre agitado mercado editorial especializado brasileiro. Por motivos óbvios, não dá para adiantar ainda o que está rolando, mas eu sugiro que os leitores fiéis fiquem de olho nos expedientes das revistas dentro de um ou dois meses. Mudanças de arrepiar.”

Exatamente uma semana depois, era realizada uma festa de despedida histórica numa casa disputada no bairro da Liberdade, em São Paulo, madrugada adentro. Ainda sob o desconhecimento do público, despedíamo-nos da Futuro eu, Renato Bueno (editor assistente da EGM Brasil, Robson Teixeira (editor de arte) e Homero Letonai (designer gráfico), com a presença em massa de amigos do meio jornalístico e artístico de games e suas respectivas esposas/namoradas(os). Marcaram presença (em ordem alfabética, pra não privilegiar ninguém, já que todos foram importantes): André Forte, Bruno Zerbinatti, Camila Dourado, Carlo Médici, Cláudio Prandoni (em nome de toda a equipe Continue), Danilo Carandina, Eric Araki (+ esposa), Felipe Azevedo, Flávia Gasi (+ namorado), Gustavo Lanzetta, Gustavo Petró (+ pai e namorada), Humberto Martinez, Marco Souza (e amigos), Mariana Russo, Nelson Alves Jr. (+ esposa), Pablo Miyazawa (+ carisma), Ricardo Farah (+ esposa), Rodrigo Guerra, Rômulo Máthei, Ronaldo Testa, Stephanie Lawrence e Suzana Bueno – sem contar o quarteto de anfitriões, é claro. Foi uma festa regada a cerveja, sinuca, karaokê, lembranças, conjecturas e planos – Bueno, coloca o flyer da festa no Freeko pra gente ver, vá.

Mas para chegar nesse momento especial do espaço-tempo, muita coisa se desenhou nos bastidores antes. Coisas que só nessa semana ensaiaram alguns passos para se tornarem públicas. Bom, na verdade, a coisa toda começou em tom misterioso no final de semana mesmo, um dia depois da festa, quando o Nelsão postou no GameBlog um “teaser”:

“Novidade das boas

Tem uma bomba atômica pra contar, mas não serei eu a abrir o bico…

só posso adiantar que o time de games da Editora Europa vai crescer. Em breve. A contratação já está concluída e é de peso. :P

Algum palpite?”

A discussão (e as pistas) continuaram pelos dias seguintes, até que, ontem, o Bueno começou um “pronunciamento oficial” no orkut e eu aproveitei o ensejo. A notícia tem então repercutido, tanto nas comunidades quanto nos blogs de figurões. E foi esse burburinho (além da maior disponibilidade de tempo livre, ao menos nessa semana) que me fez vir aqui, registrar uma satisfação mais clara.

Portanto, agora é público, notório e oficial: meu último dia de trabalho na Futuro foi sexta-feira passada e, a partir do dia 10, começo minha jornada na Editora Europa, escrevendo para as publicações de games da casa (e, se pá, até mesmo para as outras, como a Revista dos Vegetarianos) e, em paralelo, cuidando de um projeto ainda secreto e promissor que tem tudo a ver com um dos meus interesses em jogos – GameBlog, aguarde minha devida apresentação em breve.

Encerro meu ciclo de seis anos e três meses na Conrad/Futuro/Tambor feliz por ter conhecido pessoas maravilhosas, realizado projetos empolgantes e crescido tanto pessoal e profissionalmente. Reforço: saí por divergências ideológicas. Insisto: a vida continua. A EGM Brasil e demais publicações de games da casa tiveram outros editores antes de mim, e a equipe que permanece na Futuro é da mais alta categoria e competente o suficiente para levar a história de sucesso adiante.

Quanto aos amigos dissidentes, cada um vai para um canto. O Homero descolou uma vaga na chefia de arte da Editora Escala. O Robson vai continuar freelando até encontrar um novo desafio que o empolgue. O Bueno, bem, não vou contar que ele logo começa no portal G1 escrevendo sobre jogos e tecnologia; prefiro deixar que ele conte oficialmente no blog dele.

E, com isso, esse Gamer Lifestyle deve voltar à vida – pelo menos é o que eu planejo. Mais novidades em breve…

Post to Twitter Post to Plurk Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Reddit Post to StumbleUpon

Tags: , , , ,
Posted in EGM Brasil, Editora Europa, Futuro Comunicação, Jornalismo de games, Querido diário | 26 Comments »

Garimpada na 25 de março

Posted by Fabão on 7th dezembro 2006

Antes de começar, algumas atualizações sobre a EGM Brasil 59:
1) As três capas: Halo 3, Resistance e Zelda: Twilight Princess, uma pra cada console da nova geração.
2) Tem uma nova seção chamada Spoiler. Já dá pra imaginar o propósito? Nada melhor para estrear o espaço do que: Final Fantasy X.
3) A revista enfrentou problemas na gráfica, o que resultará em atraso. Ainda não tenho a nova data de banca, mas chuto dia 15/12.

Agora, à minha aventura do final de semana passado…

Minha esposa resolveu que, no sábado, dia 02/12, nós faríamos um tour pela 25 de março, o paraíso das consumidoras. Não que eu não tenha vocação para acompanhá-la em compras, mas fiquei feliz quando ela sugeriu que convidássemos o Homero (Letonai, amigo de infância e designer gráfico do setor de games da Futuro Comunicação) e sua respectiva esposa. Assim, as duas iriam para as lojas de roupas e bijuterias, enquanto nós dois sairíamos à caça de nossos objetos do desejo: o meu, um Wii, o do Homero, um controle com fio para seu recém-adquirido Xbox 360.
Assim, levantamos às 6h da manhã, nos encontramos e, depois de um rápido café na padoca, deixamos o carro na Barra Funda (estacionamento a R$ 1,99 / 12h é supremo!) e fomos de metrô até a São Bento. Lá, nos separamos.
Primeiro passo da busca masculina (porque as esposas já tinham se embrenhado na multidão e deviam estar encantadas com cópias de Swarovski): visitar a Galeria Pagé. No difícil caminho até lá, não pude deixar de notar a criatividade dos falsificadores: carrinhos da marca Hot Wilson sendo vendidos aos gritos. Só não sei se era o camelô que não sabia falar Hot Wheels ou se a nomenclatura era mesmo obra de talentosos pirateiros.
Ao chegar no famigerado antro vertical dos produtos ilegais, nos deparamos com um formigueiro humano. Eram cerca de 9h da manhã e aquilo já deveria estar pipocando desde madrugada. Como os elevadores estavam impraticáveis, o jeito foi apelar para as escadas. Cada andar escalado era uma nova decepção: em vez de máquinas incríveis com tecnologia de ponta e novas propostas de interação, só encontrávamos tênis, perfumes, roupas e artigos para pesca. Videogames? O ápice do avanço digital ali eram o PolyStation 2, PolyStation 64 e “fitas” 999.999.999 in 1 do Nintendinho. Eu sou muito mal-informado mesmo para ter subido 11 andares (ou será que foram 12? perdi a conta) esperando pelos novos consoles. Ainda bem que, pelo menos para descer, deu para pegar o elevador capenga.
De lá, nos dirigimos para o Viaduto Sta. Ifigênia. No caminho, um fato inusitado: caminhávamos quase que indiferentes aos camelôs que expunham seus artigos ali mesmo, no chão, até que uma dessas “barraquinhas” improvisadas nos chamou a atenção. Ao lado de controles piratas de PlayStation 2, uma gema preciosa: um Forza Motorsport (Xbox 1) originalíssimo, na caixa. Estranhei aquela peça no meio mais improvável, mas perguntei, apenas por desencargo de consciência: “Quanto você cobra nesse jogo?”. “Trinta reais”, respondeu o marreteiro, aparentemente sem fazer idéia do valor do produto. Eu já tinha o game, mas o Homero não, e sempre quis jogá-lo. Ele não tinha muito dinheiro na carteira, nem eu – afinal, estamos na era do dinheiro de plástico. Peguntei então: “Faz por menos?”. “R$ 25, pra levar” (parecendo querer se livrar do item). Dei uma olhada na minha carteira… R$ 15! O Homero tinha mais R$ 5. O camelô, quase comemorando, liberou: “Por vintão leva!”. E, assim, fizemos a mais barata compra de um jogo (jogão!) original de Xbox de todos os tempos (ou quase). O DVD não tinha um risquinho, só a caixa é que estava meio rachada.
Ainda surpresos com a compra, chegamos na galeria que fica à beira do Viaduto Sta. Ifigênia, onde se encontram algumas boas lojas de games. Depois de uma breve pesquisa, encontrei o Wii mais barato do pedaço: R$ 2.100, em três vezes de R$ 700, modelo americano (que já vem com Wii Sports), mais The Legend of Zelda: Twilight Princess. Sem pestanejar, sacrifiquei minhas economias e comprometi meu 13o salário para levar o tão cobiçado console branco…
Tudo bem, eu sei que dá para encontrar o produto mais barato que isso por aí, pois eu mesmo pesquisei e encontrei por R$ 1.500. Mas tinha um problema: ninguém tinha para pronta entrega! E minha sede por Zelda não permitia esperar. Tudo bem que já estava jogando o game na redação, mas nada se iguala ao prazer de jogar no conforto e tranquilidade do lar, sem a pressão de espectadores e sem a interrupção de compromissos. Também sabia que, depois do Natal, o console estará bem mais barato. Mas eu não queria esperar nem mais um dia. É triste, mas Zelda me faz perder o bom senso.
De qualquer forma, após as aquisições (o Homero, pelo menos, conseguiu um bom preço no controle dele), fomos nos encontrar com as esposas, que estavam ainda na metade de suas listas de compras… Depois de mais algumas horas de andança debaixo de um sol fulminante (todos ficaram bronzeados ao fim da aventura), ainda tivemos que passar na Futuro Comunicação para resolver um problema com a EGM Brasil 59 (aquele que ocasionou o atraso).
Depois das compras, restou a felicidade plena de curtir essa obra em casa, além de convencer a mulher a jogar Wii Bowling e ensinar o filho de 2 anos e 3 meses a jogar Wii Tennis. Agora, falta convencer minha sogra a experimentar o revolucionário controle para ver se a Nintendo foi realmente bem-sucedida em sua proposta de “diversão para todas as idades”. Vamos ver…

Curiosidade: comprei o meu Wii no mesmo dia em que ele foi lançado no Japão, 2 de dezembro. Com todas aquelas pessoas por lá, me imaginei nas ruas de Akihabara em meio a um conturbado lançamento de console. :P

Post to Twitter Post to Plurk Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Reddit Post to StumbleUpon

Tags: ,
Posted in EGM Brasil, Querido diário | 23 Comments »

Colocando o papo em dia

Posted by Fabão on 29th novembro 2006

Uau! Hoje faz 1 mês e 1 dia desde a última atualização. Se não fossem os 50~60 esperançosos visitantes que vêm aqui agitar a poeira diariamente, isso aqui estaria com teias de aranha, e os ratos teriam comido as letrinhas e os números. Bom, tenho que me retratar com os fiéis visitantes, mas, pra variar, não tenho muito tempo – o movimentado fim de ano está me deixando louco! Em vez de fazer uma atualização mandraque como as últimas, vou derrubar pequenas gotinhas de novidades:

• O Video Games Live Brasil 2006, foi um sucesso, tanto no Rio de Janeiro (dia 12/11) quanto em Sampa (19/11). Todos vibravam a cada nova música e eu mesmo chorei em mais de um momento do show. Teremos cobertura completa na EGM Brasil 59 e mais em breve no site www.heroi.com.br.
Trivia: a voz que anunciou Tommy Tallarico em SP após o Classic Medley e no início do Ato II era desse que voz escreve. O genome soldier que fez uma atuação genial no segmento de Metal Gear Solid era ninguém menos que Gilsomar Perônico do Livramento, o Gil. Só falta agora derrubarem ele na rua pra pegar a dog tag! :P

• Por falar em EGM Brasil 59, acabamos de fechar e estamos no processo de aprovação para começar a rodar a revista na gráfica. Só digo uma coisa: está foda! Bom, só digo uma coisa coisa nenhuma, vou falar mais! Ela tem:
1) Novo projeto gráfico e editorial. Um visual arrojado, novas seções e novos caminhos.
2) Três capas diferentes.
3) Um saco plástico que encobre o logo novo da revista. Você só verá o logotipo renovado quando comprar e abrir o saco (opa!).
4) Além das 100 páginas mensais, tem também um suplemento especial de 16 páginas com tudo sobre PS3 e Wii.
5) 58 jogos analisados!!! Um recorde absoluto! São 106 review (24 jogos com 3 reviews cada + 34 em Nano Reviews).
6) Os primeiros reviews de PS3 e Wii. Quanto será que ganhou Zelda? E Resistance? São, ao todo, 11 jogos de Wii e 5 títulos de PS3 analisados.
7) Análises de Gears of War, o jogo mais bonito já lançado.
8 ) Promoção valendo 100 controles de PS2.
9) Tudo isso pelos mesmos R$ 8,90 de sempre.
10) Dia 11/12 nas bancas.
[Atualização: novidades sobre a EGM Brasil 59 (incluindo um atraso) no meu post mais novo: aqui]

• Eu continuo a jogar The Legend of Zelda: Twilight Princess no Wii. Não dá pra parar!

• Enquanto isso, continuo na busca frenética pelo meu próprio Wii. Não tenho tido muito sucesso, mas permanece a esperança de ter um antes do Natal. Alguém tem alguma dica de onde posso encontrar um barato?

• Dia 1º de dezembro, também conhecido como essa sexta-feira, finalmente chega o Xbox 360 brasileiro. Um dia histórico! No site da FNAC já tem pra vender desde hoje, e acredito que a loja já tenha quiosques para testes de jogos. Quero dar um pulo lá assim que possível. Recomendo que façam o mesmo. Lá e nas outras lojas que estão vendendo o aparelho oficial da Microsoft Brasil.

• E foi dada a largada para a gincana do Elemento X, que dará 10 Xbox 360 (4 por telefone, para o Brasil todo, e 6 ao vivo, numa busca supercriativa pela cidade de São Paulo). Pena que eu não tenho tempo pra dar um rolê pela cidade atrás de pistas e pagando o mico de falar senhas estranhas para pessoas suspeitas :P … A gincana rola nos dias 2, 3, 9, 10, 16 e 17 de dezembro. Mais informações no site: http://elementox360.spaces.live.com/.

• E mais MMORPGs estão invadindo o Brasil! Em dezembro chegam a comunidade virtual de Second Life (Kaizen Games) e o ambiente futurista de RF Online (Level Up! Games). Em janeiro tem o medieval Last War (Gunsoft). Essa semana, no www.heroi.com.br, vamos revelar em primeira mão um novo MMORPG totalmente traduzido para o português – só digo que é coreano, e de uma empresa estreante, mas com planos promissores. E em breve teremos novidades de Mu Online também… Parece que muita gente vai perder (ainda mais) a vida social. :D

• Voltando a falar de EGM Brasil, para a edição 60, estamos preparando um brinde que vai deixar muita gente animada – se é que me entendem… E a edição de quinto aniversário se aproxima rapidamente! É a 63, que chega às bancas em abril. Os preparativos por aqui já começaram. ;)

• Está para começar também a votação do 3o Troféu Gameworld, a premiação máxima da indústria brasileira de games. Os planos para essa edição são ainda mais ambiciosos. Em breve terei novidades…

———–

Bom, acho que é isso por hoje. Se lembrar de mais alguma coisa, depois eu posto. E prometo que vou tentar atualizar esse cantinho querido com mais freqüência. Tenho algumas pensatas ainda na cabeça, e logo quero passá-las para esse espaço virtual.

Abraços,

Fabão

Post to Twitter Post to Plurk Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Reddit Post to StumbleUpon

Tags: , , , , , , ,
Posted in EGM Brasil, Indústria de games, Internet, Jornalismo de games, MMOGs, Miscelânea, Wii, Xbox 360 | 33 Comments »

 

Twitter links powered by Tweet This v1.6.1, a WordPress plugin for Twitter.